Criança de 3 anos foi espancada e morta porque não queria tomar banho

 Criança de 3 anos foi espancada e morta porque não queria tomar banho

A menina Lara Emanuelly Braga, de 3 anos, que morreu com sinais de espancamento no domingo, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, foi agredida porque não queria tomar banho. A informação é investigada pela Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) que autuou em flagrante por homicídio qualificado (quando não há chance de defesa da vítima) Carlos Henrique da Silva Junior, de 30, padrasto da criança. Preso por policiais militares na residência onde o assassinato aconteceu, no Bairro Vila Rosali, o suspeito prestou depoimento na especializada e confessou a morte da enteada.

A mãe da criança, identificada como Thayssa Braga, não estava na casa na hora do crime. Ela havia levado um dos irmãos de Lara para ser atendido numa Unidade de Pronto Atendimento. Segundo relatos, outro irmão da menina, de apenas 5 anos, presenciou o assassinato. Ele teria contado ter visto o padrasto bater na menina por duas vezes. E que, em seguida, ela caiu e bateu a cabeça no chão, que passou a sangrar.

Pouco depois, Carlos Henrique colocou o corpo de Lara na cama e disse para seu irmão que ela estava apenas dormindo. Pai biológico da criança, o carregador do Ceasa Maike Oliveira Ramos, de 28, que é separado de Thayssa, esteve nesta segunda-feira, no Instituto Médico-Legal de Duque de Caxias, para onde o corpo de Lara foi levado.

Como não chegou a registrar a menina em seu nome, ele precisou buscar auxílio de um parente materno da criança para tratar da liberação do cadáver para sepultamento.

— Era uma garota muito inocente, não dava trabalho nenhum. Quando ela me via, só queria ficar agarrada comigo. Era papai para lá, papai para cá. Eu falava para ela que a amava também. Estive com a Lara na Páscoa. Agora, no domingo de Páscoa. Falei para ela que ia dar uma bonequinha. Mas aí aconteceu essa tragédia. Isto tudo está sendo muito difícil para mim — disse.

O carregador e Thayssa tiveram três filhos e se separaram pouco antes do nascimento de Lara. Ele contou que soube que a morte da filha teria ocorrido por suspeita de espancamento no IML de Duque de Caxias. Maike contou ter recebido um telefonema da mãe da menina com a notícia inicial de que Lara havia sofrido um engasgo.

— A mãe dela me ligou e disse que ela estava engasgada. Só soube da história do espancamento ao chegar no IML — disse. A DHBF vai investigar se a criança já havia sido espancada outras vezes pelo padrasto, já que vizinhos relataram o costume de ouvir choro de crianças na residência.

Da redação Portal Cultura Sul com informações OGLOBO

Fique bem informado, clique no ícone abaixo e faça parte da nossa comunidade, recebendo as notícias em primeira mão:

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a equipe Portal 97 pelo WhatsApp (42) 99907-2942 ou (42) 9833-7197

Últimas notícias