Movimentos organizam novos protestos, numa mobilização pela ‘3ª via’ política

 Movimentos organizam novos protestos, numa mobilização pela ‘3ª via’ política

Dois grandes grupos, o Movimento Brasil Livre (MBL) e o Vem Pra Rua, foram os responsáveis centrais por atos públicos contra a então presidente Dilma Rousseff, com consequente processo de impeachment. Essas iniciativas, desde o início de 2015, congregaram pessoas e chegaram ao êxito quando do afastamento da petista do Planalto. Neste domingo (12/09), novamente, manifestantes se mobilizaram no Brasil.

Se lá em 2015, os movimentos foram ganhando adeptos, agora em 2021 – no pós-pandemia – novamente existe essa expectativa para construção de uma nova via política, nem favorável à esquerda liderada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e muito menos ao atual presidente Jair Bolsonaro. Contudo, envolvendo personalidades conhecidas do meio político e lideranças nacionais.

Especialistas avaliam que as ações desse domingo teriam sido ‘certa resposta’ aos movimentos da semana passada em favor de Bolsonaro. Enquanto, puxados pelo Partido do Trabalhadores (PT), outro agrupamento pretende organizar protesto próprio, pautados na inflação, dificuldade econômica, dentre outros problemas atuais para justificar nova mobilização nos próximos dias, canalizando para Lula.

O desenho da 3ª via, nessa mesma visão de cientistas políticos, agrega lideranças nacionais, pelo menos neste início, colocando uma nova opção que não é Bolsonaro e nem Lula. Contudo trazendo junto de si tanto o governador de São Paulo, João Dória, ex-ministro e postulante à candidatura para presidente da República, Ciro Gomes, e João Amoedo que foi candidato ao Planalto em 2018, dentre outros.

A mobilização do MBL e o Vem Pra Rua congregam, também, movimentos sindicais e de trabalhadores que em momentos anteriores estavam alinhados com outros blocos e atualmente engatam esse’ namoro com o novo agrupamento’. Força Sindical, a Nova Central Sindical Trabalhadores (NCST), União Geral dos Trabalhadores (UGT) e a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

Da redação com informações do MBL e Vem Pra Rua e imagem reprodução MBL

Veja também