7 de setembro: data é marcada por manifestos a favor e contra Bolsonaro

 7 de setembro: data é marcada por manifestos a favor e contra Bolsonaro

Diversos atos contrários e favoráveis ao presidente da República, Jair Bolsonaro, ocorreram no País no dia da Independência: 7 de setembro. Ao menos 70 mobilizações tiveram a chancela de movimentos bolsonaristas. Cidades como Brasília e São Paulo centralizaram essas iniciativas, ao passo que são listados cerca de 200 contra o governo, contudo teoricamente de menor volume de participantes.

Bolsonaro esteve participando de manifestação a favor do seu governo em Brasília pela manhã e no meio da tarde em São Paulo. Na Capital Federal chegou ao Palácio da Alvorada em Rolls-Royce, no caso dirigido por um de seus apoiadores o ex-piloto Nelson Piquet. Ali participou da cerimônia de hasteamento da bandeira e disse que “não pode continuar refém de uma ou duas pessoas, não interessa onde elas estejam”.

“Esta uma ou duas pessoas ou entram nos eixos ou serão simplesmente ignoradas da vida pública. Este é o meu trabalho. Vou continuar jogando dentro das quatro linhas, mas a partir de agora não admito que outras pessoas, uma ou duas, joguem fora das quatro linhas. A regra do jogo é uma só: respeito à nossa Constituição, liberdade de opinião e sempre tendo a nossa Constituição e a vontade popular acima de tudo”, ressaltou.

Na parte da tarde, presente ao manifesto na cidade de São Paulo criticou os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Na capital paulista, o presidente disse que não cumprirá “qualquer decisão” do ministro Alexandre de Moraes, do STF. Para alguns juristas, que se pronunciaram sobre o assunto, nisso, ele comete crime de responsabilidade “por desrespeitar os outros Poderes”.

Enquanto outras opiniões jurídicas levam ao entendimento de que a simples manifestação de intenção de não cumprir ordens judiciais não pode implicar no descumprimento efetivo. Ou seja, precisaria haver uma determinação concreta e o não cumprimento dessa ordem determinada para ser enquadrado nesse quesito, não apenas uma fala dizendo isso abertamente em público.

Mesmo assim, a fala pode ser passível de punição por ter agredido diretamente a instituição STF, que deve se pronunciar oficialmente sobre o assunto nesta quarta-feira (08/09). Enquanto houve manifestos favoráveis, também se teve contrários ao presidente. Grupos de oposição, como a campanha “Fora, Bolsonaro” e o “Grito dos Excluídos”, se reuniu no centro de São Paulo, no Vale do Anhangabaú.

A mobilização teve participação de representantes da oposição a Bolsonaro, dentre eles o ex-prefeito e candidato derrotado ao Planalto em 2018, Fernando Haddad, representantes de entidades sindicais e estudantis e a presidente do PT, deputada federal pelo Paraná, Gleisi Hoffmann. A paranaense registrou fotos do Estado que a elegeu, mas pessoalmente esteve em São Paulo para protestar contra o governo.

Da redação com informações e imagens via redes sociais e divulgações feitas em páginas dos partidos e políticos.

Veja também