Operação prende suspeitos de violência contra a mulher. Em 2021 são 1,5 mil denúncias no PR

 Operação prende suspeitos de violência contra a mulher. Em 2021 são 1,5 mil denúncias no PR

A informação da Polícia Civil é de que seis homens foram detidos numa operação nacional sobre crimes de violência praticados contra a mulher. As prisões ocorreram na manhã desta segunda-feira (08/03), em diversas regiões do Paraná. O registro oficial contabiliza 431 presos somente em 2021, com 1,5 mil denúncias. Em 2020 foram 12.741 casos de violência doméstica e 165 feminicídio.

A ação conjunta teve a coordenação do Ministério da Justiça e Segurança Pública e, conforme a Polícia Civil, os presos são investigados por crimes de feminicídio no Paraná. Dois mandados são da região de Curitiba e quatro do interior e fazem parte das 1,5 mil denúncias apuradas. Os agentes buscaram, também, armas, munição e outros pertences para auxiliar nas investigações em andamento.

Para o Ministério Público do Paraná (MPPR), os números demostram que inúmeros casos de violência doméstica contra a mulher continuam existindo no Brasil, com a busca para que haja a devida responsabilização dos autores desses crimes. Em 2020 foram 165 casos de feminicídio (qualificadora dos crimes de homicídio ou tentativa de homicídios cometidos contra mulheres em razão do sexo feminino) e 12.741 casos de violência doméstica somente no Paraná.

Em 2019 se contabilizou 176 denúncias por feminicídio e 15.462 por violência doméstica. Os dois primeiros meses de 2021 têm 24 casos denunciados de feminicídio e 932 de violência doméstica, dados do Núcleo de Promoção da Igualdade de Gênero (Nupige), unidade do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Proteção aos Direitos Humanos, e referem-se a casos tentados e consumados.

Conforme o MPPR, em grande parte desses processos, a motivação alegada pelo agressor para a violência foi a não aceitação do término do relacionamento (pesquisas apontam que, nacionalmente, esse percentual é de 74%). “Essa violência de gênero é praticada contra mulheres de diferentes classes sociais, graus de escolaridade, raças, etnias e religiões, ou seja, está presente em toda a sociedade e tem como pano de fundo o machismo estrutural e a desigualdade de gênero”, explica a promotora de Justiça Ana Carolina Pinto Franceschi, que coordena o Nupige.

Outro destaque apontado pela promotora é o fato de que o quadro geral da violência doméstica no país foi ainda mais agravado com a pandemia de Coronavírus, com as vítimas convivendo mais tempo com seus agressores e com a ampliação das tensões sociais e dos fatores de risco, como o consumo excessivo de álcool e demais entorpecentes, os comportamentos controladores dos agressores, bem como o estresse gerado pela crise sanitária e suas repercussões econômicas, como o desemprego.

A promotora disse ainda que “não podemos deixar de lembrar das vítimas indiretas desses crimes, especialmente os filhos e as filhas crianças e adolescentes que muitas vezes presenciam os atos de violência sofridos por essas mulheres”. O MPPR reforçou a importância dos avanços alcançados com as lutas históricas pelos direitos das mulheres e destacou estas ações da instituição para fazer valer seus direitos fundamentais.

Da redação Cultura Sul FM com informações e foto da Polícia Civil e da MPPR

Veja também