Dia Nacional de Combate ao Alcoolismo

 Dia Nacional de Combate ao Alcoolismo

Alcoolismo é uma doença e tem tratamento.

No dia 18 de fevereiro é comemorado o Dia Nacional de Combate ao Alcoolismo. A data tem o intuito de conscientizar a sociedade sobre os malefícios do consumo exagerado de bebida alcoólica. É considerado alcoólatra, aquele que causa prejuízo social e também pessoal em consequência do abuso da bebida, além de sinais de abstinência e dependência do álcool.

Dados do Ministério da Saúde mostram que a prática de consumir excessivamente bebidas alcoólicas vem crescendo ano a ano no Brasil, que está entre os 10 países com o maior consumo de álcool do mundo. Segundo a avaliação, quase 20% dos brasileiros estão entre os que bebem em excesso.

A responsável pelo Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), de São Mateus do Sul, Mariana Tratch Hertzog, falou sobre o assunto, que ainda tem muito preconceito para ser discutido. “Muitas vezes a pessoa que sofre com o alcoolismo é vista de maneira pejorativa. É uma doença e deve ser tratada. O tratamento se faz em duas frentes, com atendimento médico com psiquiatra que avalia o quadro psíquico do paciente, e no atendimento terapêutico, com psicólogo”, explicou.

Informações sobre o dia Nacional de Combate ao Alcoolismo e sobre o trabalho do CAPS de São Mateus do Sul

Segundo Mariana, as terapias com os atendimentos psicológicos são muito importantes, pois fazem com que os pacientes compreendam e se conscientizem sobre o porquê do habito de beber durante muito tempo, foi visto como uma solução para o paciente. “Em casos mais críticos é recomendado o internamento, onde a pessoa precisa ficar em um hospital ou uma comunidade terapêutica para que o corpo se desintoxique, e depois possa receber uma orientação, e ressignificar o que ela estava fazendo”, comentou.

Outro ponto importante lembrado por Mariana, é sobre o apoio da família nesses casos. “Muitas vezes a família também precisa de tratamento, apoio terapêutico, esse vínculo com familiar para a recuperação é fundamental. Quando vemos uma pessoa que tem problema com alcoolismo não podemos ver ela como uma pessoa sozinha, mas sim em um contexto familiar”, relembrou.

O álcool está inserido culturalmente no dia a dia das famílias brasileiras

Ela ainda enfatizou a importância da data, sobre falar sobre o tema e discutir sobre esse tema sem preconceito ou rótulos, já que o álcool culturalmente está inserido no dia a dia das famílias, usado muitas vezes para relaxar, desinibir, e com isso ao longo do tempo pode acabar desenvolver sérias doenças. “No Caps estamos de portas abertas para atender á todos. Temos o tratamento ambulatorial e em grupos. Na pandemia muita coisa mudou, mas agora em 2021 queremos estar mais presentes nas comunidades”, frisou.

Quando o Consumo de álcool leva ao alcoolismo?

Para ser considerada doença, é preciso associar três ou mais fatores associados à ingestão de álcool, listados a seguir:

  • Aumento da tolerância a bebidas alcoólicas, ou seja, a necessidade de ingerir cada vez mais doses antes de se sentir embriagado;
  • Crises de abstinência ou desconfortos quando não está sob efeito da substância;
  • Descontrole, isto é, beber mais do que se predispôs antes de começar;
  •  Passar dias seguidos pensando em beber, bebendo ou se recuperando dos efeitos do álcool;
  • Perder compromissos ou negligenciar tarefas;
  • Continuar a beber mesmo após reconhecer que tem problemas físicos e/ou psicológicos relacionados ao álcool;
  • Ter problemas legais e/ou interpessoais por causa de embriaguez;
  •  Beber mesmo em situações que coloquem a si próprio ou a terceiros em risco, como antes de dirigir.

 Doenças relacionadas ao uso recorrente de álcool

O álcool é um grande fator de risco para o desenvolvimento de diversas doenças, sendo muitas delas bem graves. Danos no sistema nervoso, gastrites e úlceras, danos hepáticos e câncer são algumas das enfermidades que podem aparecer pelo seu consumo excessivo. Comorbidades médicas e psiquiátricas comuns associadas ao consumo de álcool incluem:

  • Hipertensão;
  • Doença cardiovascular;
  • Doença hepática;
  • Pancreatite;
  • Gastrite;
  • Esofagite;
  • Supressão da medula óssea;
  • Neuropatia periférica;
  • Doenças infecciosas crônicas;
  • Pneumonia;
  • Cânceres, como de boca, de esôfago, de garganta, de fígado e de mama;
  • Doenças depressivas;
  • Distúrbios de ansiedade;
  • Transtorno de estresse pós-traumático;
  • Transtornos alimentares;
  • Distúrbios do sono;
  • Estado de coma ou desmaios.

Da redação do Portal Cultura Sul Notícias com áudio disponível na matéria.

Veja também