Segurança Pública se reúne com comitiva do Pará para tratar do acidente na BR-376

 Segurança Pública se reúne com comitiva do Pará para tratar do acidente na BR-376

O Governo do Estado, por meio da Secretaria da Segurança Pública, está em tratativas com o Governo do Pará para alinhar questões referentes ao acidente ocorrido na manhã de segunda-feira (25), na BR-376, sentido sul, em Guaratuba, Litoral do Paraná. Nesta terça-feira (26), a Secretaria recebe uma comitiva daquele estado composta por um médico, um perito, um bombeiro, um delegado de Polícia Civil e um major da Polícia Militar. Os profissionais devem chegar no início da tarde em Curitiba.

Todas as instituições vinculadas à Secretaria de Estado da Segurança Pública trabalham integradas para dar atendimento às vítimas e suporte para esclarecer o acidente com ônibus. “Estamos trabalhando com a Secretaria da Segurança do Pará para que a solução deste caso se dê o mais breve possível. Nosso esforço é total para diminuir o sofrimento das famílias neste momento de dor, gerada por esta grande tragédia”, afirma o secretário Romulo Marinho Soares.

POLÍCIA CIENTÍFICA – Quando um acidente desta magnitude ocorre, a Polícia Científica do Paraná aciona a Comissão Permanente de Identificação de Vítimas de Desastres (DVI), cuja presidente é a perita Viviane Paola Zibe e Piegel, para realizar o protocolo internacional de identificação das vítimas. Neste caso em particular, foram enviados sete peritos criminais para o local a fim de periciar tanto o acidente quanto atuar na preservação dos vestígios para auxiliar a identificação de todos os envolvidos.

“Nossa participação foi para recolher dados que vão subsidiar na identificação das vítimas”, disse Viviane. “A perícia verificou também as condições da pista e da sinalização naquele local e começou a reconstruir a dinâmica desta ocorrência”, completou o perito oficial e Coordenador das ações da Polícia Científica no Verão Consciente, Alex Tavares.

O Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba realizou todas as dezenove necropsias até o fim da tarde de segunda-feira. Até as 21 horas, quinze haviam sido identificados, todos por papiloscopia e, por respeito às famílias das vítimas, a Polícia Científica do Paraná vai fornecer a identidade dos óbitos aos familiares e ao Governo do Pará. “Conforme o protocolo de DVI, estamos entrando em contato com as famílias e alguns até já fizeram o reconhecimento de seus entes”, explica a Dra. Viviane.

POLÍCIA CIVIL – A Polícia Civil também está atuando nos trabalhos. De acordo com o delegado plantonista de Guaratuba, Cristiano Quintas, as investigações continuam e será instaurado um inquérito policial a cargo da Delegacia de Delitos de Trânsito de Curitiba (Dedetran). “Foi determinada que a Dedetran fizesse o inquérito policial, até mesmo em razão dos corpos das vítimas estarem sendo removidos para o IML de Curitiba”, disse. 

O delegado ouviu o motorista do ônibus. “O motorista não apresentava sinais de embriaguez e relatou que teria detectado um problema nos freios, ao entrar em uma curva, mas não conseguiu entrar em nenhuma área de escape, bateu no guard rail, tombou e caiu em um desfiladeiro”, informou. Ainda segundo ele, serão ouvidas testemunhas e vítimas sobreviventes.

ATENDIMENTO ÀS VÍTIMAS – Desde os primeiros momentos equipes do Corpo de Bombeiros, da Polícia Rodoviária Federal, da Polícia Militar e do Batalhão de Polícia Militar de Operações Aéreas (BPMOA), trabalharam no socorro das vítimas e na localização dos corpos. A Polícia Civil e a Polícia Científica também foram acionadas. De acordo com a tenente do Corpo de Bombeiros, Ana Paula Inácio de Oliveira Zanlorenzzi, o trabalho das equipes teve foco no atendimento às vítimas que estavam no local.

 “Todas as vítimas foram atendidas pelo protocolo de Sistema de Comando de Incidentes (SCI) e foram triadas de acordo com a gravidade de seus ferimentos e lesões”, explicou. Todas as vítimas foram encaminhas para hospitais da região. As que apresentavam estado mais grave foram encaminhadas, via aeronave do BPMOA, para o Hospital Cajuru, em Curitiba e para o Hospital São José, em Joinville. Já as vítimas leves e moderadas foram encaminhadas, por ambulâncias, a hospitais em Garuva e Joinville, em Santa Catarina. Também houve apoio de uma aeronave de Santa Catarina no transporte.

EQUIPE ESPECIALIZADA – O tenente Henrique Arendt Neto, do BPMOA, conta que além dos transportes de vítimas, a aeronave também serviu para levar uma equipe especializada ao local. “Levamos uma equipe do Grupo de Operações de Socorro Tático – GOST junto com o canil, com cão especializado em busca de vítimas, para localizar aquelas que pudessem ter sido ejetadas do ônibus para a área de mata, por exemplo”, esclareceu.

O Corpo de Bombeiros utilizou caminhões de combate a incêndio e resgate, ambulâncias e viaturas de busca e salvamento, além de duas aeronaves do BPMOA. Também prestaram apoio, de forma integrada com o Governo do Paraná, viaturas da Concessionária Litoral Sul; Polícia Rodoviária Federal (PRF); aeronaves Águia de Santa Catarina; viaturas do Corpo de Bombeiros de Santa Catarina; Polícia Militar de Santa Catarina e Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). 

AEN

Veja também