Policial chora ao ver menino morto pelo pai em cima do corpo da mãe

 Policial chora ao ver menino morto pelo pai em cima do corpo da mãe

Policial militar chorou ao ver o corpo do pequeno Davi, 7, sobre o corpo da mãe dele, na madrugada de domingo (05), em Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul. Mãe e filho foram mortos por Maurílio Arcanjo, 62, marido de Aline e pai de Davi. Ele tentou o suicídio e está hospitalizado.

O PM, que pediu para não ter o nome divulgado, foi o primeiro a chegar à cena do crime. Davi estava com os braços abertos sobre a mãe. A polícia acredita que ele tenha se jogado na frente de Aline para tentar evitar que ela fosse morta.

“Somos acostumados com cenas fortes de assassinatos e execuções, mas ver um filho de 7 anos pular na frente para proteger sua mãe e morrer em cima dela comove qualquer pai de família”, disse o policial.

Segundo a ocorrência policial, quando a equipe da PM chegou ao local, Maurilio Arcanjo estava caído na varanda da residência, agonizando numa poça de sangue. A arma do crime, um revólver calibre 38, estava caída ao lado.

Atingido por um tiro no abdômen e outro entre a barriga e o peito, ele foi socorrido pelo Samu (Serviço Móvel de Urgência) e segue internado.

Quando entraram na casa, os policiais encontraram os corpos de Aline e de Davi sobre a cama de casal de um dos quartos. Foram encontradas cápsulas deflagradas em cima da cama, ao lado do corpo do menino, e uma caixa de munições. Maurílio recarregou a arma depois de matar a mulher e o filho.

Havia rastro de sangue do quarto até a varanda, onde o assassino estava caído, indicando que Maurílio atirou nele mesmo ao lado dos corpos de Aline e Davi e se arrastou até o local onde foi encontrado.

Casal de vizinhos contou aos policiais que Aline e Maurílio brigavam constantemente. Foram eles que ouviram os tiros e foram até a frente da casa e viram o homem caído, gemendo de dor.

O perito da Polícia Civil constatou que Aline foi morta com cinco tiros no peito. Davi foi atingido por dois tiros também no peito, disparados de curta distância devido aos resquícios de queimaduras na pele, em volta das perfurações.

Áudio

Minutos depois de matar a mulher e o próprio filho, Maurílio enviou áudio para um amigo contando sobre o crime. Na mensagem de 19 segundos, o criminoso apresenta tom de voz calmo e não esboça aparentes emoções.

“Ô Tião, é o seguinte. Eu acabei de matar a Aline e matei o Davi, daí eu vou me matar. Eu vou deixar o portão aberto e daí você vem aqui tomar as providências cabíveis e chama a polícia, tá bom? Só isso que eu tenho para te avisar, beleza?”, disse o assassino, que tem antecedentes criminais por porte ilegal de arma de fogo, lesão corporal dolosa e violência doméstica.

Fonte: CAMPO GRANDE NEWS

Veja também