FUMO: Diálogo, importância do produtor e visão de futuro; para seguir agricultor

 FUMO: Diálogo, importância do produtor e visão de futuro; para seguir agricultor

O que está em debate na 1ª Conferência da Fumicultura em Rio Azul é o futuro das pessoas. Pai, mãe, filhos e permanência no meio rural com qualidade de vida e renda estável se sobressaem à cultura do fumo em si. Se outra opção viável, praticável, com assistência técnica existente e comércio certo aparecer, o produtor de tabaco pode cultivar ou manejar. É a síntese do debate da abordagem sobre o viés do fumicultor.

A fumicultora Alcéia Jacyszyn, que idealizou com José Natal Pichibileski a 1ª Conferência da Fumicultura em Rio Azul realizada nesta sexta-feira (03/12) no salão paroquial da Igreja Matriz Sagrado Coração de Jesus, tem esse entendimento. Segundo ela, o agricultor quer opções, mas que precisam levar em conta a realidade de pequena área para produzir, comércio certo e assistência técnica.

A perspectiva da agricultora, que também cuida das demais atividades da propriedade junto do marido Edison e filhos José Augusto e João Paulo, é da adaptação, também. Numa visão empreendedora, inclusive, Alcéia cultiva morangos, com apoio da família, para melhorar a renda. A propriedade de 3,5 alqueires é diversificada, pois tem lavoura de outros alimentos para consumo familiar, além do tabaco.

“Se o produtor parar de plantar fumo, ele vai ter de ir para a cidade. Não tem uma alternativa para segurar o produtor nas pequenas propriedades”, avalia José Natal. “Ele está amarrado na fumicultura”, acrescenta sobre a atual realidade. Disso, a mobilização da Conferência na busca de apoio governamental para dar novas opções, mas tendo assistência técnica e comércio, dentre as garantias.

Segundo José Natal, diversificar a propriedade é o caminho, não ficando restrito à fumicultura. “Mas essa diversificação tem de vir apoiada, precisa de assistência técnica, com garantia de venda e não temos essa diversificação que seja assim”, opina. Sobretudo, uma outra cultura precisa levar em conta as benfeitorias existentes, mas que agregue o comércio e tenha esse apoio para uma possível mudança e opção rural.

A conferência da fumicultura reúne agricultores, autoridades e representantes de classe de toda a região. Na organização se teve o apoio da prefeitura e mobilização dos agricultores para lutarem por melhor valorização e preço pago pelas empresas. Levando em conta as altas dos custos e levando em conta a dignidade do agricultor, base da cadeia produtiva que, segundo os organizadores, precisa ser respeitado.

Entre as palestras do evento, Emerson Bacil foi convidado por Alcéia e Natal (os idealizadores), com apoio do vereador Felipe Cheremeta, e se expressou aos presentes. Por conhecer a realidade ele saiu em defesa do agricultor. “Precisamos valorizar o pequeno proprietário, pensar na sustentabilidade da propriedade rural e dar as condições necessárias para proporcionar qualidade de vida e bem-estar”, disse.

“Cabe às autoridades pensar em opções e soluções à fumicultura, mas que sejam viáveis e possíveis e tenham assistência técnica na produção”, frisou Emerson Bacil. “É fundamental essa mobilização para mostrar a força do produtor de tabaco e fortalecer o setor, discutindo preço justo e tratamento digno. Eu me somo aos fumicultores nessa luta”, completou.

Da redação com foto Portal Cultura Sul FM

Veja também