Volume de serviços cresce no Paraná, sobretudo no Turismo com mais de 5%

 Volume de serviços cresce no Paraná, sobretudo no Turismo com mais de 5%

Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e foram divulgados nesta quinta-feira (14/10). Dentre outras coisas, as atividades turísticas tiveram uma expansão de 5,4% em agosto deste ano no Paraná e colocam o Estado como segundo melhor em desempenho do País, atrás apenas de Goiás (8,8%). O setor de serviços teve um crescimento na casa de 1%, dobro dos números nacionais.

O volume de serviços agrega as atividades turísticas e, enquanto a média nacional de crescimento foi de 0,5%, no Paraná o aumento foi de 1%, sendo a sexta evolução mensal consecutiva, num avanço contínuo desde fevereiro. O acumulado do ano é 8% e 16,1% maior que em 2020. Segundo o Governo Estadual isso reforça os índices de expansão da economia paranaense e nos locais que recebem visitantes.

“Além do bom desempenho do comércio, um setor bastante impactado pela crise sanitária, o Estado apresenta resultados positivos consecutivos na geração de empregos com carteira assinada e também na indústria. O fim de ano será efetivamente bem melhor, servindo de sustentação para que em 2022 o avanço seja maior”, destacou o governador Carlos Massa Ratinho Junior sobre os números do levantamento.

O crescimento no volume de serviços vem numa crescente, após evoluções de 2,4% em fevereiro; 0,8% em março; 1,7% em abril; 0,9% em maio; 1,4% em junho e 1,5% em julho. O desempenho ao longo desses oito meses foi puxado por Transporte, Serviços Auxiliares aos Transportes e Correio (10,8%), Serviços Prestados às Famílias (8,1%), Serviços Profissionais, Administrativos e Complementares (7,5%) e Serviços de Informação e Comunicação (4,8%).

Com o desempenho do turismo paranaense, o Estado fica à frente de Ceará (5,1%), Pernambuco (3,9%), Bahia (1,4%), Rio de Janeiro (-1,1%) e Santa Catarina (-1,6%). A média nacional ficou em 4,6%. Frente a agosto de 2020, o índice de volume de atividades turísticas no Estado cresceu 30%, impulsionado principalmente pelo aumento na receita de empresas que atuam nos ramos de hotéis; transporte aéreo; restaurantes; rodoviário coletivo de passageiros; locação de automóveis; e serviços de bufê.

Da redação com informações e foto da AEN

Veja também