Acusado de devastador ambiental, Brasil tem 2/3 do território preservado

 Acusado de devastador ambiental, Brasil tem 2/3 do território preservado

A estimativa é com base nos últimos dados levantados e divulgados pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e permitem um comparativo, por exemplo, com os Estados Unidos da América, quando se fala em produzir alimentos e manter áreas preservadas. Brasil usa pouco mais de 30% para atividades agropecuárias e os estadunidenses quase 75% de suas terras.

O mundo rural brasileiro utiliza, em média, apenas a metade da superfície de seus imóveis (50,1%). A área dedicada à preservação da vegetação nativa nos imóveis rurais – registrados e mapeados no Cadastro Ambiental Rural (CAR) – representa um quarto do território nacional (25,6%), conforme a Embrapa. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) não específica manutenção de florestas nativas.

Os Estados Unidos da América, conforme a USDA, têm 19,9% do território destinado à proteção e preservação da vegetação nativa composto da seguinte forma: unidades de conservação 8,9%; vegetação nativa em terras não agricultáveis 8,7% e 2,3 de terras indígenas. Tirando os 5,8% das terras estadunidenses com infraestrutura, os demais 74,3% são de pastagens, lavouras e floresta plantas ou exploradas.

Somente de lavouras, os Estados Unidos da América têm 17,4% das terras e outros 29% com pastagens, além de usar 27,9% do território para plantar e explorar florestas. No comparativo com o Brasil, as lavouras usam 7,8% do solo, pastagens plantadas 13,2% e nativas 8%; e florestas plantadas 1,2% – totalizando 30,2%. Enquanto mata nativa não aparece no gráfico estadunidense, no brasileiro perfaz 25,6%.

Além desse percentual de mata nativa e áreas destinadas à preservação vegetal, unidades de conservação integral ocupam 10,4% do território, terras indígenas 13,8% e vegetação natural em terras devolutas e sem cadastro oficial perfazem outros 16,5%. A soma dessas áreas é de 66,3% que em tese, pela atual legislação não podem ser usadas para exploração agropecuária. Ainda outros 3,5% do território são de infraestrutura.

Sem contar que, matematicamente, os Estados Unidos é 10% maior que o Brasil e, pelos discursos ambientalistas, em tese tem mais terras para cuidar dentro da sua abrangência territorial. Enquanto os estadunidenses ocupam o quarto lugar na lista dos maiores países do mundo, com uma extensão de 9,37 milhões de km², o Brasil vem atrás, em quinto, com 8,51 milhões de km².

Da redação com informações e gráficos da Embrapa e USDA

Veja também