Fábrica de malte vai investir R$ 3 bilhões em Ponta Grossa e gerar 3 mil empregos

 Fábrica de malte vai investir R$ 3 bilhões em Ponta Grossa e gerar 3 mil empregos

Seis cooperativas paranaenses se reuniram e projetam investir em torno de R$ 3 bilhões na construção de uma fábrica de malte no município. O empreendimento conta com apoio do programa de incentivos estaduais e prevê a produção de 240 mil toneladas de malte por ano. Representantes dos investidores tiveram uma reunião virtual, nesta segunda-feira (07/06) com do Governo do Estado e prefeitura.

O anúncio foi feito na presença (virtual) do governador Carlos Massa Ratinho Junior e da prefeita Elizabeth Schmidt. A construção da Maltaria Campos Gerais inicia ainda neste ano e será feita em duas etapas. A previsão é que a primeira fase seja concluída até 2028 e a segunda parte dos investimentos finalize em 2032. A estimativa é que o empreendimento gere cerca de 3 mil empregos diretos e indiretos.

Além disso deve beneficiar aproximadamente 12 mil cooperados das seis entidades envolvidas. O projeto de intercooperação reúne as cooperativas Agrária Agroindustrial (Guarapuava), Bom Jesus (Lapa), Capal (Arapoti), Castrolanda (Castro), Coopagrícola (Ponta Grossa) e a Frísia (Carambeí). Somadas, elas apresentaram um faturamento de R$ 16,4 bilhões em 2020.

A previsão é que a planta produza 240 mil toneladas de malte por ano, cerca de 15% do volume do consumo atual no Brasil. Para o governador, o empreendimento vai suprir o mercado brasileiro e evitar a importação da matéria-prima das cervejarias. Junto do fato de ser o Paraná, também, o maior produtor de cevada que vai abastecer a nova fábrica em Ponta Grossa e gerar empregos.

“Além do incentivo fiscal, o Estado investe na desburocratização e na melhoria da infraestrutura, o que facilita na atração de investimentos e na redução dos custos de produção”, disse Ratinho Junior. De acordo com os investidores, a questão logística foi fator preponderante para escolher Ponta Grossa. Ficando o compromisso da prefeitura e Governo Estadual fazerem uma marginal de acesso para a nova fábrica.

A prefeita Elizabeth Schmidt reforçou a parceria do Governo do Estado com o município para viabilizar um investimento privado desse porte na cidade. “Quando todos trabalham juntos, todos ganham”, salientou. “Ponta Grossa tem uma conexão com o setor cervejeiro e esse novo investimento consolida essa cadeia produtiva, com impacto na geração de emprego em toda a região dos Campos Gerais”.

Além do empreendimento em si, o investimento também reflete em toda a cadeia de produção. A área total destinada para o plantio da cevada, que é um dos principais insumos para a produção do malte, pode chegar a 100 mil hectares, alcançando outras regiões do Estado. É equivalente a quase toda a área de cevada cultivada atualmente no Brasil, que chegou a 103,4 mil hectares em 2020.

Da redação com informações e imagens da prefeitura de Ponta Grossa

Veja também