Corpo em estado de decomposição é encontrado no interior de Porto Vitória e identificado

 Corpo em estado de decomposição é encontrado no interior de Porto Vitória e identificado

A Polícia Civil, por meio do Instituto de Identificação e em conjunto com o Instituto Médico Legal (IML), identificou o homem encontrado morto por populares na tarde desta segunda feira (07/06), no interior do município de Porto Vitória. Jeferson Marcos Veiga, de 42 anos de idade, estava desaparecido desde o dia 18 de maio, quando foi levado junto com a esposa numa suposta disputa de espaço entre facções criminosas.

A identificação, pelo estado de decomposição do corpo, somente foi possível num trabalho técnico-científico com a coleta de digitais do homem, que confirmou a identidade da vítima. O corpo foi encontrado na região de Anta Gorda, interior de Porto Vitória, próximo de onde sua esposa, ferida à bala, pediu ajuda e foi socorrida em 18 de maio. Naquele dia ela já havia testemunhado que o marido estaria morto.

Segundo a Polícia Civil, a notícia do desaparecimento de Jeferson é justamente desta data, mas a ocorrência iniciou dois dias antes, quando no domingo (16/05) o casal teria sido mantido em cárcere privado. Isso no bairro Cidade Jardim em União da Vitória e, em seguida, levados até a região de Anta Gorda em Porto Vitória. Ali a mulher contou que foi agredida e baleada e fingiu-se de morta para conseguir sobreviver.

A esposa relatou, em 18 de maio quando procurou socorro, que o marido estaria morto e ela tentou reanima-lo. A hipótese é que, quando ela buscou ajuda, os agressores teriam retornado até o local e retirado o corpo dali. Toda situação é investigada dentro de uma disputa entre duas facções criminosas. Inclusive que levou à abordagem e prisão de uma menor e dois homens naquela semana.

Ao ser localizado, o corpo foi removido do local e encaminhado para o IML de União da Vitória para a perícia e confirmação da identidade. Segundo a Polícia, mesmo em estado avançado de decomposição foi possível notar os sinais de violência. Dentre outras coisas, o cadáver estava com as pernas amarradas o que supõe ato de crueldade, já mencionado pela esposa anteriormente. A investigação do caso segue.

Da redação com informações da Polícia Civil e imagem divulgada pelo Canal 4 TV Web

Veja também