Hidroponia: cultivo sem solo vem ganhando cada vez mais espaço

 Hidroponia: cultivo sem solo vem ganhando cada vez mais espaço

Foto: Arquivo pessoal do Waldir

O Cultura Sul Notícias desta terça-feira (11/05), converso com Waldir Bettanin, que há três anos conheceu a hidroponia (do grego: água + trabalho) é o nome dado a um sistema de cultivo de plantas caracterizado por não precisar de terra (solo). A técnica foi apresentada por um amigo e deste então, começou a usar o sistema, além de ajuda outras pessoas a conhecerem a técnica e a criarem o seu próprio quintal, conseguindo alimentos saudáveis de forma rápida, e com baixo custo.

Waldir no estúdio da Cultura Sul FM

Waldir iniciou a sua fala contanto o que é a hidroponia. Ele contou que essa é uma técnica de cultivar plantas na água, sem solo, onde as raízes recebem uma solução nutritiva balanceada que contém água e todos os nutrientes essenciais para o desenvolvimento da planta. Na hidroponia as raízes podem estar suspensas em meio liquido ou apoiadas em substrato inerte.

Com a hidroponia existe também a possibilidade de cultivar plantas sem a necessidade do sol, popularmente chamado de cultivo “indoor”, através de lampas especiais a luz necessária é fornecida para as plantas. Um sistema hidropônico precisa basicamente da fonte de luz, seja ela natural ou artificial, de nutrientes misturadas na água e de uma maneira de levar esses nutrientes até a raiz.

Essa técnica não é recente, o nome “hidroponia” surgiu na década de 30, nos Estados Unidos, para definir a técnica de cultivo comercial sem solo. Produtividade. Essa técnica segundo Waldir vem ganhando espaço já que o tempo de crescimento de uma planta hidropônica é muito mais rápida do que se plantada tradicionalmente.

Plantas cultivadas no sistema hidropônico

“As plantas são cultivadas em estufa, sem necessidade do uso do solo. O que aumenta a produção, e a qualidade dos produtos, visto que os nutrientes são balanceados e controlados”. Diminui a quantidade de água utilizada, por possuir um sistema fechado, e também reduz o uso de agrotóxicos, por ser dentro de estufa, o que diminui o ataque de predadores e as intempéries do tempo, não havendo poluição do solo. Além de utilizar um espaço muito menor do que a agricultura tradicional.

“Na hidroponia é possível plantar em pequenos espaços, até mesmo em apartamentos, é algo realmente maravilhoso, podendo ter alimentos o ano todo. A alface por exemplo com a hidropônica você pode ter ela todos os dias no verão, o que tradicionalmente não já que é um alimento que desenvolve melhor no inverno”, explicou Waldir.

Walter contou que a hidroponia tem diversas vantagens em relação ao cultivo no solo como:

  • Reduz drasticamente o desperdício de água em relação a plantações no solo
  • Elimina a necessidade de uso massivo de pesticidas e fertilizantes (considerando que a maioria das pragas vive no solo), tornando o ar, a água, o solo e os alimentos mais limpos.
  • A capacidade de produzir com menos custos do que a agricultura tradicional no solo.
  • Capacidade de cultivo em áreas do mundo que não possuem espaço ou solo fértil.
  • O tempo de colheita, na maioria das vezes, é menor em sistemas hidropônicos por se tratar de um sistema de entrega de nutrientes otimizado e com menor resistência para as raízes/plantas.

A hidroponia hoje é mais difundida em países como a Holanda, Alemanha, Itália, Espanha, Suécia, Japão, Austrália, Estados Unidos, México e áreas vizinhas da América Central. No Brasil, esta técnica ainda não é muito difundida, sendo mais utilizada perto dos grandes centros urbanos onde as terras agricultáveis são mais escassas e caras, mas vem conquistando seu espaço, ganhando adeptos dessa cultura. “O Hospital Maternidade Dr. Paulo Fortes tem um sistema de plantas hidropônicas que ajuda na alimentação dos pacientes”, comentou Waldir.

A entrevista completa está disponível em Live no Facebook do Portal Cultura Sul FM e no canal do YouTube da Cultura Sul FM.

Veja também