Operação expresso desmonta esquema bilionário de sonegação

 Operação expresso desmonta esquema bilionário de sonegação

Uma operação que envolveu mais de 710 policiais civis, auditores das receitas e peritos, conseguiu desmontar um esquema bilionário de sonegação no Paraná e nos estados de Minas Gerais, São Paulo e Espírito Santo, em uma força tarefa realizada na terça-feira, (16/03), operação denominada “Expresso”. Trinta pessoas foram presas e mais de R$ 500 mil foram apreendidos somente no Paraná. 

A operação “Expresso”, focou em ilícitos no ramo de comercialização de café em grão, crimes de falsidade ideológica, lavagem de dinheiro e associação criminosa. Levantamentos iniciais apontam que os valores devidos aos cofres públicos podem ultrapassar R$ 1 bilhão em impostos estaduais e federais, multas e correção monetária.

Para fins de comparação, este montante poderia ser usado para comprar cerca de 17,2 milhões de doses de vacinas contra a Covid- 19 ou implantar aproximadamente 5.540 novos leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI).

Foram cumpridos 16 mandados de prisão no Paraná, nove em Minas Gerais, três no Espírito Santo e dois em São Paulo. Durante a ação ainda houve apreensão de 15 veículos em Londrina, no Norte do Paraná, e R$ 300 mil em joias, no Espírito Santo, além de diversos celulares, computadores e documentos que vão auxiliar na continuidade das investigações.

A força-tarefa responsável pela operação expresso é coordenada pela Polícia Civil do Paraná (PCPR), por meio de sua divisão estadual de combate à corrupção, com a atuação integrada, dentro das atribuições de cada órgão envolvido. O delegado da PCPR, Thiago Vicentini, disse que esse tipo de operação depende de uma força-tarefa. “Este trabalho enaltece a Polícia Civil do Paraná, pois mostra que podemos buscar por nível de excelência, trazer resultados positivos para sociedade, e fica mais fácil com o trabalho em conjunto”, afirmou.  

Resultado de investigações iniciadas há mais de dois anos pela Polícia Civil do Paraná e de trabalhos anteriores da Receita Federal e da Receita Estadual de Minas Gerais, a força-tarefa tem como objetivo desmantelar um grande esquema criminoso de sonegação de impostos e creditação indevida de ICMS na compra e venda de café em grão cru decorrente de comercializações interestaduais. 

O secretário da Fazenda do Paraná, Rene Garcia Junior, afirmou que a operação só foi possível pela integração dos órgãos. “A operação nos ajuda a identificar situações como essa e a desqualificar pontualmente empresas que possam emitir notas fiscais sem devido lastro”, disse.  

Os alvos da operação foram pessoas físicas e empresas. Entre estes, grandes atacadistas e corretores de café em grãos do Paraná, além de transportadores, proprietários e representantes de torrefações paranaenses conhecidas no ramo cafeeiro nacional.  

Da redação Portal Cultura Sul, com informações e foto da ANP

Veja também