Ala Covid-19 do HMDPF já atendeu 269 pacientes

 Ala Covid-19  do HMDPF já atendeu 269 pacientes

Leito da ala da covid-19, do HMDPF (foto, Portal Cultura Sul)

Há mais de um ano o mundo todo vive com medo, angustias, tristezas e inseguranças em não saber como será o amanhã. Surge um vírus, que atinge a todos, não escolhendo idade, raça, ou condição física específica. As pessoas começam a acreditar, saber algo sobre ele, e como conte-lo, e nisso, surge variáveis, que mudam tudo, e mais uma vez a sensação de impotência para enfrentar esse “inimigo”, invisível e tão mortal aumenta, principalmente em um grupo específico de profissionais, os profissionais da saúde.

Em São Mateus do Sul, essa sensação não é diferente. Mais de 30 pessoas já perderam suas vidas em decorrência do coronavírus, e infelizmente as notícias que chegam daqueles que trabalham em meio a todo esse “caos”, a situação tende ainda, a piorar. Segundo o clínico geral, e diretor técnico do Hospital Maternidade Dr. Paulo Fortes (HMDPF), doutor Vilson Galeazzi, a situação em que o hospital e os profissionais da saúde estão passando, é um dos momentos mais críticos da pandemia, mas a equipe está fazendo tudo que está ao alcance para desenvolver suas atividades da melhor maneira possível.

“Nós seguimos medidas de controle para isolamento de pacientes com qualquer suspeita de contaminação por covid-19”. Fazemos cirurgias, temos a pediatria, ortopedia, maternidade, muitas vidas são salvas, e recuperadas. Infelizmente também acontecem óbitos aqui, mas trabalhamos diariamente buscando dar o nosso melhor”, relatou Galeazzi. Ele contou que como médico que trabalha na ala do covid-19 no HMDPF, busca dar valor à toda equipe, pois não é fácil trabalhar com poucos recursos.

“Sabemos que não tem UTI aqui, mas toda a equipe trabalhou, deu o seu máximo. Eles fizeram até respiração manual, não pouparam esforços em nos ajudar. Somos da capital e não temos isso lá. Sempre nos deram notícias e falam a realidade do que acontece, isso não temos em Curitiba”, contou irmã de um dos internados na ala do covid.

Ela relatou que a família procurou vaga em hospitais com UTI, mas não existe vaga na região. “É importante que a população entenda que esse momento é complicado. As pessoas muitas vezes falam mal do hospital da sua cidade, e sabemos dos últimos acontecimentos aqui, mas é importante que as pessoas valorizem os profissionais que tem, em Curitiba o tratamento é completamente outro, aqui é humanizado”, completou.

Infelizmente, diariamente aumentam os casos relacionados ao coronavírus, e segundo o médico, o hospital não comporta mais leitos para Covid-19, já que necessita de um espaço separado, além da falta de estrutura e de equipamentos para o atendimento, como respiradores. “Nesse momento é importante que as pessoas se conscientizem, e busquem ficar em casa, além de seguir corretamente todas as normas restritivas, usar máscara, lavar bem as mãos, e fazer o uso do álcool em gel”, explicou.

Em casos de dúvidas e suspeita de estar com o vírus, o recomendado é procurar um posto de saúde, um médico ou hospital para encaminhamento.

Sintomas da Covid-19

Os sintomas da COVID-19 podem variar de um resfriado, a uma Síndrome Gripal-SG (presença de um quadro respiratório agudo, caracterizado por, pelo menos dois dos seguintes sintomas: sensação febril ou febre associada a dor de garganta, dor de cabeça, tosse, coriza) até uma pneumonia severa. Sendo os sintomas mais comuns:

  • Tosse
  • Febre
  • Coriza
  • Dor de garganta
  • Dificuldade para respirar
  • Perda de olfato (anosmia)
  • Alteração do paladar (ageusia)
  • Distúrbios gastrintestinais (náuseas/vômitos/diarreia)
  • Cansaço (astenia)
  • Diminuição do apetite (hiporexia)
  • Dispnéia (falta de ar)

Como é transmitido?

A transmissão acontece de uma pessoa doente para outra ou por contato próximo por meio de:

  • Toque do aperto de mão contaminadas
  • Gotículas de saliva
  • Espirro
  • Tosse
  • Catarro
  • Objetos ou superfícies contaminadas, como celulares, mesas, talheres, maçanetas, brinquedos, teclados de computador etc.

Da redação Portal Cultura Sul

Veja também