Adolescentro: há quase 30 anos atendendo jovens e crianças em São Mateus do Sul

 Adolescentro: há quase 30 anos atendendo jovens e crianças em São Mateus do Sul

Nessa sexta-feira, (19/03), o Cultura Sul Notícias recebeu nos seus estúdios, Inês Maia, que é diretora da Adolescentro, uma entidade não governamental de fins filantrópicos, que atua no município de São Mateus do Sul desde 23 de fevereiro de 1992, tendo como foco o social, desenvolvendo programas de proteção, na forma disposta no Estatuto da Criança e do Adolescente. Mesmo com a pandemia os trabalhos continuam à distância.

Inês contou, que a Adolescentro atende em média 160 adolescentes na faixa etária de 10 a 18 anos, sendo 80 atendidos pela manhã e 80 no período da tarde. “Todos os alunos estão matriculados no ensino regular e fazem contra turno social na entidade. São adolescentes, que se encontram em situação de risco pessoal e social, encaminhados pelos pais que querem manter seus filhos afastados das ruas, ou casos que são encaminhados pelo conselho tutelar, Judiciário ou Ministério Público, CRAS, CREAS”, explicou.

Ela relatou, que são várias as atividades desenvolvidas pela entidade. “Temos oficinas como: artes, leitura, informática jogos, brincadeiras, horta e meio ambiente e educação física. Ainda temos o jovem aprendiz, que são os jovens encaminhados para o mercado do trabalho. Mesmo com a distância imposto pela pandemia, as empresas estão solicitando e estamos realizando esse encaminhamento, mas é algo que mudou muito”, contou.

Segundo Inês, dos adolescentes que frequentam a entidade com faixa etária entre 15 a 18 anos, muitos já são inseridos no mercado de trabalho, através do programa PCPA (Programa de Capacitação Profissional do Adolescentro, este programa está devidamente cadastrado e validado no Programa Nacional de aprendizagem do Ministério do Trabalho. Ela explicou ainda que a instituição se mantém, com convênio da prefeitura para manutenção da instituição, mas para as demais despesas a instituição faz eventos e promoções.

Uma das ações é a nota Paraná, onde o valor que volta é destinado para as crianças e adolescentes, como manutenção do prédio, reparos, melhorias em equipamentos. “Temos caixas espalhadas em todo o comércio”. Mas, essa verba que vem do Nota Paraná, serve para auxiliar a instituição, não suprindo todas as demandas. “O recurso ajuda, mas não cobre todos os gastos, estamos recebendo doações, nesse momento em especial, prêmios para realizar sorteios”, comentou Inês.

A tradicional feijoada da Adolecentro vai continuar. Inês contou, que em 2020 foi feita a feijoada no sistema drive thru, devido a pandemia, e nesse ano será feita novamente. “Ano passado se tivéssemos mais teríamos vendido. As pessoas ajudam e gostam muito, mas fazemos de acordo com a estrutura da nossa cozinha, sempre de acordo com os protocolos”, ressaltou. Quem quiser ajudar a instituição ou quiser conhecer mais sobre o trabalho é só entrar em contato pelo telefone 3532-3207 ou ir até a instituição na Rua: Frederico Retzlaf, nº 380, bairro Pinheirinho.

A entrevista na integra está disponível no Facebook do portalculturasulfm https://fb.watch/4kBikLpaid/ e no canal do Youtube do Portal Cultura Sul https://www.youtube.com/watch?v=FOSJPxVC2Kk.

Da redação Portal Cultura Sul

Veja também