Fronteiras fechadas por mutação de vírus pode deixar ingleses desabastecidos

 Fronteiras fechadas por mutação de vírus pode deixar ingleses desabastecidos

Agência internacionais e canais de comunicação citam que o primeiro-ministro Boris Johnson reuniu seu gabinete em caráter de emergência nesta segunda-feira (21/12). A medida foi tomada após vários países suspenderem conexões com o Reino Unido devido a uma mutação do novo Coronavírus. A situação se agrava justamente dez dias antes da chamada Brexit, definição pela saída da União Europeia.

As informações são de faixas nas rodovias do sul da Inglaterra alertando os viajantes e motoristas que transportam mercadorias sobre o fechamento da fronteira com a França. O país vizinho anunciou no domingo (20/12) à noite a suspensão das ligações terrestres, marítimas e aéreas com os ingleses pelas por 48 horas.

A França é a principal porta de entrada de produtos frescos como frutas e verduras. Este fechamento pode desabastecer os mercados de todo o Reino Unido. Ao passo que a exportação, de peixes por exemplo, fica prejudicada tanto pelas entregas de natalinas quanto por estragar se ficar retido na fronteira.

Além de tudo isso, o temor das autoridades, que garantem a existência de alimentos suficientes, é de uma corrida dos consumidores, por pânico e compras eminentes. Londres detectou uma nova cepa do vírus. Embora não parecer mais letal seria até 70% mais contagiosa, segundo a afirmação do ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, que admitiu uma propagação “fora de controle”.

A presença foi detecada em Gibraltar, Dinamarca e Austrália, de acordo com o porta-voz do governo britânico. Por conta dessa nova cepa do vírus, o governo de Boris Johnson voltou a determinar, no domingo, o confinamento dos nove milhões de londrinos e de outras sete milhões de pessoas no sul do país, onde as famílias não poderão se reunir para o Natal.

Entre as medidas políticas adotadas, com a nova situação, a primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon, grande crítica do Brexit, e o prefeito de Londres, o trabalhista Sadiq Khan, segundo as informações, teriam solicitado para Johnson o prolongamento do período de transição pós-Brexit além do fim do ano.

Da redação com imagem e informações Agência Brasil

Veja também