Projeto HF vai de encontro à tendência mundial para olericultura

0

Sabe aquela sensação de estar num evento tecnológico, o maior do setor em toda a América Latina com a seleção dos melhores profissionais e aparato técnico produtivo mundial, e ao comparar o que se faz na região de União da Vitória se concluí estar em sintonia. Mais que isso, a projeção de detectar que se desenvolve regionalmente o que o mundo pede na produção saudável de hortaliças e frutas.

A experiência pioneira foi parte de uma visita técnica de 35 profissionais, do “grande time do projeto de olericultura”, em viagem técnica e visita à 25ª Hortitec em Holambra, interior de São Paulo. Com passagem também pela cidade de Piracicaba, na semana passada, reunindo profissionais da região de União da Vitória, Irati, Ponta Grossa e Guarapuava.

O projeto HortiFruti (HF) de União da Vitória teve representação e liderança nesse grupo. O coordenador regional da Emater, engenheiro agrônomo José Eustáquio Pereira, foi um dos líderes dessa equipe. Segundo ele, alimentos saudáveis, baixos custos e chegando o mais rápido possível ao consumidor é o tripé do que “o mundo quer.”

“Trocamos experiência com os melhores profissionais do mundo e docentes da Universidade de Piracicaba”, detalha. Mais que isso, na auto-avaliação do projeto HF, a equipe de União da Vitória se surpreendeu. “Foi um resultado muito promissor porque pudemos detectar que o caminho do nosso projeto vai ao encontro do que o mundo está pedindo.”

Isso porque, o grupo técnico do HF projeta justamente esta relação: apoio ao produtor e agilidade na ponte com o mercado. Tudo com supervisão, sobretudo para ser saudável e com qualidade. Na viagem, segundo Eustáquio, ainda, eles conheceram mais de 100 empresas voltadas para a alta tecnologia e estabeleceram contatos comerciais.

Rodolpho Thiago Neumann, também engenheiro agrônomo e lotado na Emater de Cruz Machado, faz parte desta equipe HF. Ele avalia que a viagem inédita estabelece o contato com a tecnologia especializada e tem relação com a região. “Produzir em pequenas áreas é a nossa realidade”, observa. “A olericultura exige essa atualização constante.”

Formada na sua matriz por agricultores e agricultoras familiares, com muita mão-de-obra e necessidade de aparato técnico de ponta, na visão do engenheiro agrônomo, o trabalho desenvolvido na região visa ser menos agressivo à saúde e meio ambiente. “Controle biológico de praga e doenças e garantir uma produção mais saudável”, frisa.

Rodolpho Thiago Neumann

O que deixou a equipe com sentimento de estar nos trilhos desta plataforma é a troca de experiências. “Quando falamos da nossa organização regional, relação com o mercado e apoio aos agricultores, com distribuição de renda, os consultores e expositores ficaram admirados”, relata Rodolpho, citando a injeção de ânimo ao grupo HF, por conta disso.

A perspectiva do engenheiro agrônomo é de aproveitar deste respaldo captado na 25ª Hortitec e ampliar o repasse das tecnologias e tendências do setor. Sobretudo no HF que tem identidade própria, em oito dos nove componentes da Associação dos Municípios do Sul do Paraná (Amsulpar) – exceção feita a São Mateus do Sul. Fazendo a relação do produtor no campo com o comércio e oferta de produtos mais saudáveis e com qualidade ao consumidor.

Da redação com fotos de Eustáquio, Rodolpho e equipe HF.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here